Pão e Cerveja

Da estação: é tempo de cerveja com pitaya

O uso de frutas na cerveja é um recurso cada vez mais utilizado, com cada vez mais técnicas e bons resultados.

Pitaya é uma fruta da América Latina

A pitaya é fruto de um cacto de sabor delicado

Pitaya é uma fruta latina, aliás, o fruto de um cacto, cujo sabor ( um pouco insosso para o meu paladar) estaria entre o melão e o kiwi.

Sabe-se lá porque, a fruta tem sido usada em várias cervejas nacionais…

Talvez pela coloração rosa que ela deixa. Ou por suas propriedades benéficas à saúde.

Motivações à parte, somente neste mês de maio tive acesso a pelo menos três cervejas com pitaya.

As três com estilos-base diferentes, resultados também bastante diversos.

Neipa cor-de-rosa

Cerveja Biziuziu, feita com graviola e pitaya, pelas cervejarias Brain Beer e Etanoiss
A cerveja reproduz a cor do rótulo por meio da fruta

A primeira delas, a Biziuziu, uma New England IPA com pitaya e graviola, é uma cerveja colaborativa entre as cervejarias Brain Beer e Etanoiss.

Bem delicada, com aroma cítrico das frutas mesclado ao lúpulo Sabro. A coloração rosa claro e amargor equilibrado fazem dela uma cerveja bonita e fácil de beber.

De acordo com o mestre-cervejeiro da Brain Beer, Christian Brandt, eles escolheram a pitaya por causa mesmo da cor.

A intenção, segundo ele, era usar as sementes e deixá-las em suspensão sobre a cerveja cor-de-rosa, reproduzindo a imagem da fruta no copo.

Mas em nenhum dos testes, o projeto com as sementes funcionou, dando lugar apenas à coloração pretendida.

” A gente escolheu a pitaya justamente por causa da sutileza no aroma, já que em uma NEIPA o lúpulo tem de ser a estrela da cerveja. A fruta entrou mesmo para dar a cor rosa já utilizada no rótulo”, explica Christian

Double IPA com pitaya

Ipitaya é um projeto pensado para o Dia Internacional da Mulher. Uma cerveja rosa, porém amarga, para quebrar paradigmas
Produzida pela Cervejaria Astúcia e cervejeiras do Lamas BH

Em outra vertente, consegui experimentar a Ipitaya, produzida na cervejaria Astúcia, em março, pelas mulheres cervejeiras ligadas à loja de insumos Lamas BH para comemorar o Dia Internacional da Mulher.

A cerveja, uma Double IPA, recebeu a fruta em pasta, não in natura, dando à bebida uma coloração bem mais intensa, em tons vermelhos e não tanto cor de rosa.

No sabor e no aroma a pitaya se manifesta bem sutilmente, trazendo uma percepção de frutas vermelhas mais associada a framboesa do que a ela própria.

Brut do Cerrado

Brut do Cerrado, uma colab entre Invicta e Colombina, recebe jabuticaba e pitaya.
A cerveja, que tem pitaya na composição, faz parte da linha Finito da Cervejaria Invicta

Dentro da linha batizada de Finito, as cervejarias Invicta, de Ribeirão Preto, e Colombina, de Goiânia, lançaram a Brut do Cerrado, feita com jabuticaba e pitaya.

A fruta entra na receita, mais uma vez, para acentuar os tons cor-de-rosa que a jabuticaba já conferiria à bebida.

Mesmo sem muita presença no sabor, a pitaya é rica em vitaminas e minerais, auxilia na digestão dos alimentos, no controle da hipertensão, além de ser antioxidante.

Portanto, seja muito bem vinda, pitaya, ao reino cervejeiro!

Leia + sobre cervejas com frutas

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
João da Silva

Mais fácil usar beterraba

Fabian Arreguy

Acho que a beterraba dá gosto, viu? Já experimentei cervejas com ela…