Pão e Cerveja

Cerveja local é sempre melhor

Mesmo com protestos, um pouco atrasados a meu ver, a Copa do Mundo está aí. Agora é tarde para lamentar os gastos relacionados ao torneio, eles já foram feitos. Verbas já foram empenhadas em estádios e obras de maquiagem das cidades-sede. Está na hora de tirar partido do evento e receber bem os turistas, que podem deixar por aqui uma bela grana. Pensando nos jogos que Belo Horizonte vai abrigar e nas seleções que aqui vão treinar, vejo que países com tradição cervejeira estão entre elas. Argentina, Inglaterra, Bélgica só para citar algumas. Fico imaginando os torcedores desses países na capital mineira querendo se divertir. É muito natural que os bares sejam a atração procurada. Afinal somos por decreto a capital dos bares.

É um consenso entre o público que gosta e conhece cervejas artesanais que a bebida mais novinha, fresca, saindo dos tanques, é a mais gostosa. Não estou falando de cervejas de guarda, é claro! Mas sim das cervejas mais leves, que sofrem muito com transporte por longas distâncias. Tomá-las na região onde são produzidas é, por certo, um regalo! Se os turistas ingleses, argentinos, belgas, ou de qualquer outro país, toparem com as diferentes e inúmeras cervejas de estilos inspirados em seus países que são feitas aqui, com certeza a festa será grande! Há quem diga que Belo Horizonte é a Bélgica brasileira. Isso porque temos várias microcervejarias instaladas na região metropolitana, com uma profusão de estilos produzidos que impressiona qualquer um. Não é só pra inglês ver não! É para quem quiser conferir. É, portanto, uma bela oportunidade de mostrar a quem vem de fora que sim, nós temos cerveja!

Fazendo uma listinha básica, sem me aprofundar muito em tudo o que aqui se produz, lembro-me no ato das cervejas da escola inglesa fabricadas pela Cervejaria Küd, de Nova Lima. Além de saborosas, os rótulos, todos ligados ao rock internacional, são um barato à parte. Tomar Kashmir, ou Black Bird, ou ainda uma Ruby Tuesday é uma atração saborosa e sonora. É claro que Wäls, Backer, Falke, Grimor, Jambreiro, Vinil, Taberna do Vale, todas elas cervejarias instaladas em Belo Horizonte, Nova Lima e Ribeirão das Neves não podem ser esquecidas por suas produções maravilhosas. Só pelo número de fabricantes é possível perceber o que Belo Horizonte tem a oferecer aos visitantes. Acho que temos tudo para fazer bonito!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Líquido e Certo