Pão e Cerveja

Selo de cervejaria independente. Não está na hora de o Brasil também ter um?

Ao lançar um selo para diferenciar cervejas artesanais de cervejas pertencentes à Ambev, a Brewers Association mostra que as reações às aquisições de pequenas cervejarias estão apenas no começo.

Lendo sobre o selo Independent Craft, lançado pela Brewers Association, entidade sem fins lucrativos que reúne as cervejarias artesanais americanas, entendo que as reações contra a Ambev e seu avanço sobre pequenas cervejarias pelo mundo começam a ficar interessantes. Digo isso porque tenho batido na tecla de que são necessárias ações inteligentes e estratégicas para conseguir atingir um gigante, tal qual a luta desigual de Davi e Golias. Ano passado, em um post que muitos acusaram ser vendido à Ambev, eu tentava discorrer sobre isso ( leia o post ) e já dizia que não bastavam ” arremedos de reações” nessa luta. E mais, eu rejeitava a culpabilização do consumidor por escolher comprar as cervejas feitas pela grande indústria. Afinal, o poder aquisitivo fala mais alto. O desconhecimento do mercado também fala e diante de tantas ofertas, escolher aquela cerveja mais famosa, que tem mais presença nas peças publicitárias, e ainda por cima é mais barata, é o caminho mais seguro sob o ponto de vista do consumidor. O que esse consumidor não sabe é que a concorrência desleal e a nociva prática de dumping adotadas pelo grupo cervejeiro que busca hegemonia pode estar matando o sonho, o negócio de um amigo, de um vizinho, de um parente. Fazer chegar essa informação ao mercado é a estratégia melhor neste momento. Informação! Como estamos carentes dela! O selo Independent Craft, apesar de parecer uma ação bobinha, é bastante estratégica e efetiva, porque justamente joga luz sobre a verdade. Há cervejas realmente artesanais e há cervejas disfarçadas como tal. Isso o consumidor não sabe. E só vai saber quando sinalizarmos a ele. A partir daí, as escolhas passam a ser conscientes.

Eu continuo achando pobre e feio levar essa briga para âmbito pessoal, exatamente como escrevi no ano passado.  Ofensas ao cervejeiro, à família, ao nome, ao passado de quem já foi artesanal e vendeu sua empresa à Ambev, são totalmente despropositadas e sem utilidade alguma, a não ser acender a sanha de quem adora ver um circo,qualquer circo, pegar fogo! Disso as redes sociais estão lotadas! Esse tipo de reação é ineficaz e antipático. Já um selo, ou marca, que se traduz em transparência, para mim é bem mais inteligente. Tanto assim que indago: cervejarias artesanais brasileiras, não está na hora de empreendermos uma ação semelhante? Nosso mercado não merece saber quais cartas estão no jogo??

Advogado do diabo

Há quem duvide que o selo de independência do B.A dê em alguma coisa. Um advogado corporativo que atua no segmento de cervejas, ele prefere não se identificar, me levantou algumas suspeitas de que a Ambev poderia ser sócia oculta de várias cervejarias artesanais que se dizem independentes hoje. Ele citou o exemplo da compra de parte do Ratebeer feita através da ZX Ventures, operação ao qual ele chama de tramoia. O advogado, mesmo admitindo que pode estar viajando em teorias conspiratórias, levanta a suspeita de que a Ambev poderia criar uma série de empresas fantasmas e aportar dinheiro nas artesanais que lhe interessam ( ele cita o nome de uma cervejaria do sul do Brasil que já poderia perfeitamente estar vivendo esse esquema…). Assim sendo, muitas cervejarias ganhariam o selo de Cervejaria Independente, mesmo já tendo vendido sua alma ao diabo. É de se pensar, não?

Me siga também nas redes sociais

Instagram@fabiana.arreguy

Facebook.com/paoecerveja

Twitter@paoecerveja

Mixcloud.com/paoecerveja para ouvir as colunas Pão e Cerveja da Rádio CDL FM

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Blog

Comentários